Covet, ou Cobiça - Volume I da Série Fallen Angels: SPOILERS!!!

Estamos nós aqui, prestes a presenciar o lançamento do quarto volume da Série Fallen Angels, outra empreitada bem sucedida do meu ídolo, a perfeita J. R. Ward, e ainda não há nenhuma resenha de nenhum dos volumes anteriores aqui no Peixinho.

Será porque a Gabizinha ainda não leu?
Claro que não! É obvio que eu já devorei cada um deles (afinal #comofas pra viver entre um volume de BDB e outro?).
O motivo é a preguiça. Sempre ela.

Aliás, se for fazer um volume de FA chamado Sloth (Preguiça), chama eu, WARDen! Num ligo de ficar no meio de Jim, Adrian e Eddie! Huahahahaha

(crédito da imagem para Romances Meu Vício)
Vem comigo sijogar nessa coleção que vai pirar seu cabeção!

Essa resenha seria inicialmente sobre o Cobiça, a versão brasileira do Covet. O post estava esquematizado, com algumas figuras e tals desde o ano passado, mas eu ainda não tinha sentado pra começar a escrever (muitas emoções de lá pra cá...).

Agora vai! Hehehehe

Choramingos da Gabizinha
Quando eu soube que a WARDen estava escrevendo uma segunda coleção que iria ser publicada entre os livros da Irmandade, pensei imediatamente: WTF!!!!!!

(crédito da imagem para QuickMeme)
Por que essa diaba não continua escrevendo sobre meus vampiros prediletos e lançando livrinhos apetitosos de 6 em 6 meses (com eu e a torcida do flamengo gostaríamos muito que acontecesse)?

Ela explicou e eu entendi. Tem a ver com a maneira que a mente de autora dela trabalha. Pensar só, somente só, na Irmandade estava esgotando a veia criativa da WARDen. Imagina como nóis fica se a veia criativa dela esgotar?!?!?! Acho que eu tenho um treco se ela diz que não publica mais. Fico órfã...
Então, se a solução é diversificar pra apimentar a Irmandade, que assim seja. Estamos nós aqui aprendendo a amar os anjos caídos também.

E aprender a amar alguma coisa é um processo difícil e dolorido.
Ainda mais cabeça dura como eu sou. Eu me apego com uma força danada às primeiras impressões. Imagina a força que eu fiz pra começar a amar Fallen Angels. Até hoje, tenho de confessar, eu ainda sou ressentida com o tempo que a WARDen gasta com eles podendo escrever logo o livro do Blay e do Qhuinn.
Mas chega de mi-mi-mi! O livro deles está prestes a ser lançado (cof-cof, Lover at Last só vem 26 de março de 2013) e Fallen Angels é de longe uma das melhores séries de romance sobrenatural lançadas na atualidade.


Sobre a Coleção
O primeiro volume, Covet, foi lançado em 2009. Mais do que rapidamente, a Universo dos Livros comprou os direitos, aproveitando que já publica a Irmandade da Adaga Negra por aqui, e lançou o Cobiça em 2010.

(crédito da imagem para Cantinho da Nanda)
Eu comprei o Cobiça (como vocês sabem, de nariz torcido) e parti pra ler, porque, por mais que estivesse de má vontade, não dava pra deixar passar um livro escrito pela WARDen.

Nesse livro somos apresentados a uma realidade que se mistura com a da Irmandade.
Toda a noção de Universo e Divindades fica muito mais abrangente, porque descobrimos que a Virgem Escriba não é a Ultimate Goddess, ela deve obediência a algo superior, o Criador.
No frigir do ovos, ele é o pai tanto dela como do Ômega. Então, esperem encontrar um ou outro personagem da saga da Irmandade perdido pelos livros de Fallen Angels. É sempre uma surpresa agradável quando eles aparecem.
Ah, só pra registrar: eles aparecem, mas não influenciam muito.

Essa coleção trata da Peleja do Diabo com o Dono do Céu. Pra acabar com essa guerra que já deu no saco, os dois times, o De Casa - Demônios, contra o De Fora - Anjos, escolhem um peão humano para resolver o jogo em melhor de sete: sete outros seres humanos terão de fazer uma escolha que pode pender para o lado do bem ou do mal. O time que conseguir mais vitórias ganha a guerra definitivamente.

Se o pessoal que cheira a enxofre for vencedor eles transformam a Terra em uma versão dos quadros de Hyeronymus Bosch. Isso aqui vai virar o infernooooo!! Além de todo mundo estar fodido, os anjos vão virar escravos dos demônios.

(crédito da imagem para Canibuk)
Já, se quem ganhar forem os anjos, nossa vida será pra sempre livrada da influência negativa dos demônios, que vão desaparecer foreváaaahhh. Imagina o paraíso terreno (ou não?) de um quadro brega do Thomas Kincaid - ou Kinkade - (que morreu esse ano, coitado)?

(crédito da image para Finest Kind Clinic and Fishmarket)
Depois de muito deliberar, tanto os anjos quanto os demônios escolheram o peão principal, que será o único com permissão de influenciar as sete almas para um lado ou para o outro. O Céu e o Inferno só podem chegar até as 7 almas pré-escolhidas através dele - em tese, porque você sabe como os demônios são trapaceiros...

O peão é nosso amadíssimo Jim Heron!
E quem é Jim Heron? É o personagem principal de toda a coleção.
Amei o que a WARDen fez aqui, porque ela juntou o estilo das coleções onde cada volume é dedicado a um personagem, ao mesmo tempo uniu os livros através de um personagem carismático e forte, que estará presente até o final. Ah, e sobretudo, a gente sabe que essa coleção vai ter um final: serão 7 livros (#HarryPotterFeelings...)


Sobre o Livro: Covet
Eu li o Cobiça, versão nacional do Covet, lá nos idos de 2010. De lá pra cá, como eu já falei antes, revolucionei a vida quando passei a ler em inglês. E foi por pura força de vontade, porque eu não fiz curso, só me forcei a me acostumar com isso e agora, apesar de ter de apelar para os dicionários de vez em quando, leio em inglês numa nice.

Quando me convenci de que precisava publicar a resenha do primeiro volume de Fallen Angels aqui no Peixinho, até cogitei reler o Cobiça, mas o Covet estava na minha estante, completamente virgem. Juntando o fato que desvirginar um livro é orgástico e que a versão original tende a ser muuuuito melhor, parti pro ianque e não me arrependi.

Conforme falei ali em cima, pra acabar com a disputa entre o Céu e o Inferno, foram escolhidas e consideradas válidas pelos dois lados, sete almas que estarão numa encruzilhada da vida, cada uma tendo um Pecado Capital como característica marcante da sua personalidade. Para ajudá-las a passar por isso, foi escolhido e considerado OK pelos dois lados um homem que tem tanto seu lado bom como o mau bem equilibrados dentro de si, um ex-integrante de um esquadrão de operações especiais, o letal e eficaz, Jim Heron (ou Zacharias?).

Pra relembrar, os Sete Pecados Capitais estão relacionados aqui abaixo, segundo a classificação crescente de São Tomás de Aquino, junto com os nomes dos demônios responsáveis por incutir esses sentimentos no coração do homem, de acordo com o Binsfeld's Classification of Demons, de 1589:
  • Soberba: orgulho excessivo ou vaidade. Provocado por Lúcifer;
  • Inveja: ignorância em relação às próprias qualidades em virtude de somente enxergar e valorizar as virtudes, qualidades e bens alheios. Provocado por Leviatã;
  • Ira: intenso sentimento de raiva ou ódio, que pode levar à vingança. Provocado por Azazel;
  • Preguiça: característica no negligente e procrastinador (eu!). Provocado por Belphegor;
  • Avareza: apego exagerado pelos bens materiais e pelo dinheiro. Provocado por Mammon;
  • Gula: desejo desenfreado, geralmente por comida. Provocado por Belzebu;
  • Luxúria: desejo descontrolado pelo prazer material, principalmente sexual. Provocado por Asmodeus.
"Seven deadly sins
Seven ways to win
Seven holy paths to hell..."
Moonchild, Iron Maiden (Seventh Son Of A Seventh Son - 1988

Covet conta a estória da primeira alma, a de Vincent Di Pietro, um empresário do ramo de construções, extremamente rico, mas ansioso por acumular cada vez mais. Na minha opinião (e digo isso porque, ou eu passei direto e não notei, ou não foi dito em lugar nenhum) seu Pecado Capital é a Avareza.

(crédito da imagem para Solvency II News)
Vindo de uma família pobre, mas vivendo na opulência, Vin está prestes a tomar uma decisão que acumulará mais um lindo troféu à sua coleção: a esposa perfeita, a modelo Devina. E é nesse ponto de sua vida que Jim entrará para ajudá-lo a continuar assim ou tomar um rumo completamente diferente, pois aparece na vida de Vin uma prostituta com um passado obscuro chamada Marie Terese que pode fazer ele querer mudar todos os seus planos. Mas qual será o melhor rumo para Vin: a segurança de Devina ou o risco de Marie Terese?

Jim, que não tem as mãos limpas, nem é exemplo para ninguém, está subordinado a um time de anjos com pinta de lordes ingleses, mas bem casca grossa: Nigel, Colin, Byron e Bertie, que ficam lá de cima observando o desenrolar da contenda e dando uma ajudinha marota de vez em quando. Aqui embaixo, Jim tem seu amigos misteriosos, Adrian Vogel e Edward Blackhawk, dois motoqueiros mal encarados cheios de surpresas nas mangas.

O livro é completamente imprevisível. Não se iluda achando que é apenas uma questão de escolha de com quem Vin vai ficar no final, quem vai levá-lo à salvação ou quem vai levá-lo à danação eterna. Outros elementos se juntam à trama, complicando as decisões e modificando os pontos de vista, inclusive de Jim.
Tudo é muito mais complicado do que parece e os demônios estão se escondendo sobre os mais diferentes disfarces.

Altamente recomendado!
Se não fosse minha fidelidade irrestrita à Irmandade, certamente meu amor iria para Fallen Angels, que é delicioso e impossível de largar.

Agora... Quem quer spoilers???
Huahahahahaha
.
.
.
.
.
SPOILERS!!!
Ah, que hora tão feliz!! Agora eu posse deixar de tentar me controlar pra saber o que eu posso e não posso dizer aqui! :)

Eu queria (vamos ver se vou ser feliz dessa vez) tentar aqui nessa parte só comentar sobre pontos que acho importantes sem realmente me focar em entregar a estória. Acho que assim fica mais parecido com uma conversa entre duas pessoas que leram o mesmo livro e menos comigo contando o livro inteiro (de uma maneira passional e nem um pouco imparcial).

Vamos começar a baixaria!

(crédito da imagem para Goodreads)
A capa ali em cima é uma versão alternativa, provavelmente para Reino Unido e Austrália, que sempre têm capas diferentes das norte-americanas (puquê? puquê? num sei).

Antes de começar a falar sobre o que acontece no livro, vou dar uma xoxadinha de leve na WARDen. Por que diabos ela inventou de colocar os nomes dos dois personagens principais desse livro tão parecidos? 
Sério!! Tive uma certa dificuldade de entender quando a mãe de um era uma alcoólatra e fumante inveterada decadente e quando era uma fazendeira carinhosa, e mãe perfeita. Fiquei na dúvida quando uma morreu atacada por assaltantes na sua própria casa e a outra rolou da escada.
Só pra esclarecer: Vin tem a mãe escrota (e não lamenta nada ela ter morrido junto com seu pai) e Jim tem a mãe bacana (que é usada pra fazer chantagem sobre ele pelo anjos).

Agora sim:
Tava o Jim no Iron Mask (EEEHH!!!! Eu me sinto lá cada vez que abro um livro da WARDen!), mais Adrian e Eddie. Adrian, que pra minha surpresa, tem o cabelo escuro e maravilhoso, tipo cabelo de Pantene mesmo (eu jurava que ele era loiro e comprido! acho que confundi com o Lassiter...) aponta uma mulher extremamente linda que não pára de olhar para Jim. O cara estava comemorando seu aniversário de 40 anos, mas não estava nem um pouco afim de se envolver com ninguém, mas o Adrian insistiu, sabe. Depois que a gente sabe quem a Devina é e que Adrian já a conhecia de outros carnavais, fica meio confuso entender porque ele praticamente colocou Jim na cama da vagaba (ou melhor, colocou a vagaba no carro do Jim). Depois Jim coloca Ad contra a parede e exige uma explicação de por que ele fez isso. Adrian se justifica dizendo que não queria trabalhar com Jim e que ele próprio é um idiota. Só que a Devina tem mais de um meio de se ligar a uma pessoa. O sexo definitivamente é um deles, ou seja, mes ami, Jim está preso a ela por culpa de Adrian.

(crédito da imagem para Tales of the Sissy)
Se vocês não conhece esse mocinho aí em cima, corre pro Google, minina!! Ele é o Emmanuel Delcour, a dilicinha que eu considero bem cotada para ser o Adrian. Quem concorda?
Ele não é só um rostinho e um corpitcho bonito, Emmanuel Delcour (ou Jean Val Jean) tem uns talentos que vão deixar vocês lokinhas! Huahahahaha (maxina quando vocês descobrirem qual é o tipo de filme que esse "ator" faz...).

E as coincidências? Ah, as coincidências... Não é que a namorada do chefe do Jim, que é o Vin diPietro, é ninguém mais, ninguém menos, que a morena de azul que Jim catou na noite passada: Devina
Parênteses aqui: outra coisa me deixou meio confooosa... Não sei dizer, agora que li o livro, se a gente começa pensando que o Jim é só um carpinteiro gostosão, ou se a gente percebe desde o início que ele é um tipo de militar altamente treinado e letal. Talvez eu já tenha começado a ler o livro sugestionada, porque certeza de que os personagens principais da WARDen são sempre letais. E guerreiros. E gostosos.

Não fui muito com a cara dos anjos depois do primeiro encontro. Detestei que eles chantageassem o Jim com a mãe dele, achei que foram eles que encomendaram o choque que matou Jim, achei esses anjos bem pouco angélicos e muito inescrupulosos. Não entendi muito bem quem era quem. Demorou uns 3 livros pra eu saber que:
  • Nigel é loiro, alto e magro, aparência aristocrática, e parece ser o chefe dos outros (vocês tem de ler sobre ele em Envy! Ele tem mais uns segredinhos nada angelicais, mas que deixam a gente se esfregando na quina da mesa!!!);
  • Colin tem o cabelo escuro, é fortão, o mais "guerreiro" dos anjos lá de cima. É o meu predileto e é o que eu mais quero ler sobre em Rapture - leiam Envy que, se você me conhecem bem, vão entender rapidinho o motivo. #teaserwhore!!!! Yes, I am.;
  • Byron usa óculos redondos com lentes rosas, meio John Lennon na minha cabeça. Não há muita coisa sobre ele ainda, mas a JRW não colocaria um grupo com 4 anjos assim sem haver motivos pra cada um deles;
  • Albert, ou Bertie é o anjo que tem o Irish Wolfhound chamado Tarquin. Ele e Byron são super amigáveis. Ah, e também não há muitas descrições sobre a aparência do Bertie por enquanto.
  • Todos eles tem os olhos iguais: nem azuis, nem cinzas nem verdes, mas também não são cor de mel ou castanhos. Tô eu aqui tentando imaginar uma cor de olhos que não seja nenhuma dessas, mas que seja a mistura de todas elas...
(crédito da imagem da esquerda para Irish Dogs e da direita para Dog Family)

O Irish Wolfhound é um cachorrão enorme, com esse pelo descabelado e embolado e essa cara simpática.
Sobre falta de descrições, me irrita um pouco a falta de descrição do Jim. Além da tatuagem enorme do Grimm, The Reaper nas costas, não tem muito mais. Eu sei que ele é loiro porque li em outro livro, neste aqui só fala que ele é alto, forte como um touro e tem corte de cabelo militar (além das suas camisas de flanela de sempre). Ele tem os olhos azuis, mas não vi isso escrito ainda aqui em nenhum lugar.
Ah, mas fiquei toda pimpona quando li que a casa onde o Jim mora pertence a um tal senhor Perlmutter! Ti fofo!!!! Será que ele vai conhecer nosso vampiros? Tomara!

Mais coincidências, a Marie Terese trabalha no Iron Mask, com nosso delicinha do Trez. E, voltando à vaca fira, será que ele é? Huahahahaha
Tô louca pra descobrir!
Tinha tudo pra achar a Marie Terese meio idiota, mas não acho. Sei que ela se deixou enganar por um cara mafioso, que demorou a conseguir largar do cara, mas ela teve que cortar um dobrado pra se livrar do ex-marido e para recuperar seu filho. Teve de mudar de nome, já que ela se chamava Gretchen Capricio, teve de assumir uma profissão que ela considera a mais degradante de todas: a de puta. Particularmente, não tenho nada contra as primas, mas a Marie Terese acha ruim... Fazer o quê? Acho que o pior de tudo quando ela se separou de seu ex-marido Mark foi sujeitar seu filho de sete anos, o Sean, que agora se chama Robbie, a tudo isso.

E sobre as misturebas nas séries, olha que delícia esse mashup:
'Searching in her purse to find her car keys, she...
Slammen into a wall of a man.
"Oh, I'm so sorry!" She looked up, way up, into a pair of lion's eyes. "I, er..." 
"Easy there." The man steadied her and gave her a small, gentle smile. His hair was a spectacular as that yellow stare, all different kinds of colou that flowed onto his huge shoulders. "You okay?"'
Covet, pág. 86, Cap. 8. 
Tradução do Peixinho:
"Procurando na sua bolsa para achar as chaves do seu carro, ela... 
Se chocou contra um muro humano. 
- Oh, desculpe! - Ela olhou pra cima, bem pra cima, dentro de um par de olhos de leão. - Eu, er... 
- Calma aí. - O homem a segurou e lhe deu um pequeno e gentil sorriso. Seu cabelo era tão espetacular quanto seu olhar amarelo, todos os tipos diferentes de cores cascateando em seus ombros enormes. - Você está bem?"
Quem é o delícia que tem cabelo de Pantene em tons de loiro, ruivo e castanho e uns olhões amarelos e brilhantes? Nosso amoreco do Phury!!

Olha que sacada brilhante: de acordo com a estória, Jim tem que descobrir por sua própria conta quem são as almas que precisam ser salvas. Só que nessa primeira missão ele tá perdidaço e apela pros anjos. A forma deles darem ajuda indiretamente é hilária! Tudo que Jim precisa saber ele pergunta pra televisão, onde sinais são enviados pra ele. Muito engraçadinho mesmo.
E, pra melhorar, ao mesmo tempo que Jim está assistindo o comercial que indica Vin como a primeira alma, Marie Terese também está assistindo esse comercial e dando um sentido completamente diferente. A WARDen é foda!

Confesso que eu também fiquei bem confusa no início sobre com quem o Vin deveria ficar. A Devina realmente estava me convencendo como a coitadinha da estória. Mas algumas coisas estavam me deixando intrigada: esse lance dela sempre estar iluminada... Whatafuck! Meio esquisito a mania de sempre parar embaixo de um ponto de luz. Eu só me convenci que ela era pilantra quando ela contou duas versões diferentes da mesma estória pra Vin e pra Jim. E só me toquei que ela era o inimigo depois da suposta surra: pra ter convencido os médicos de que tinha apanhado, pra colocar a imagem do Vin nas câmeras e pra depois sair do hospital sem nenhuma marca, tinha de ter pacto com o Demo! Hehehehehe

E, falando sobre o Vin, quem não faria qualquer coisa que lhe dissessem se tivesse de conviver com aqueles acessos loucos de visões, fumaças pretas, colheres se mexendo desde que era criança? Ele meio que fez um troca com quem não devia pelo poder, dinheiro e desaparecimento dos dons. O que eu acho explicável, mas coisa de gente muito inocente. Tava na cara de que aquilo não era natural.
Se eu fosse ele ficaria preocupada pra descobrir quando e como seria cobrada.
O bom foi que ele coincidentemente procurou a redenção ao mesmo tempo em que seu credor macabro vinha bater na sua porta. Acho que muito da boa sorte dele no final tem a ver com o fato dele tentar voltar a resgatar suas raízes humildes levando Marie Terese pra conhecer sua casa de subúrbio. E, cara, a cena da ejaculação precoce foi uma das mais engraçadas do livro! kkkkkkkkk

E o cara obcecado pela Marie Terese? Em princípio eu achei que o stalker fosse o marido dela, mas ela teria percebido, né? Então eu fiquei meio assim, sem entender porque mais um elemento complicador na estória, se a gente já tinha anjos, demônios, "iluminados", ex soldados da XOps, mas no final bati palmas, porque o perseguidor foi quem amarrou a estória direitinho.

Uma das cenas que mais me deixou com raiva foi a que o Jim não ouve Adrian e Eddie na casa da Devina e rompe a barreira de proteção, fudendo com a busca pelo anel do Vin e o brinco da Marie Terese. DETESTOOOOO quando o personagem é orientado por outros mais experientes e resolve fazer exatamente ao contrário. E fode a porra toda...
Quis matar o Jim nessa hora.

Ah, destaque para o Vin passando muito mal depois de tomar Demerol: será que há um antepassado vampiro na sua família? Hein? Hein? Hehehehehe

Tem umas coisas que me deixaram muito intrigadas. Se rolou um sorteio pra ver qual time teria contato com o Jim primeiro e foram os anjos que ganharam, então Devina está trapaceando, já que ela seduziu e trepou com ele antes de ele ter ido falar com o pessoal lá de cima. Ao mesmo tempo lembro que Ad e Eddie já estavam em contato com Jim antes dele subir pra falar com Nigel. Não tem um juiz nessa porra? Não tem ninguém pra ver isso? Então eles vão trapaceando e ninguém sofre as consequências? Muito estranho...

Ufa!
Dessa vez consegui falar do que eu gostei e não gostei, do que funcionou e do que ficou meio fuleiro, sem entregar a sequência da trama. Pra saber do que eu estou falando só mesmo lendo o livro todinho: juro que não é sacrifício nenhum! Hehehehehe
Na altura da publicação dessa resenha eu já estou no meio de Crave (ou Desejo), o segundo volume, com um dos personagens que cala mais fundo no meu coração (juntinho do Zsadist e do Blaylock) o lindo, humilde, educado, amoroso, Isaac Rothe! Ai como eu queria colocar ele no colo só pra ouvir ele dizendo com seu sotaque do Mississipi: "Yes, Ma'am."

Agora que terminou de ler o Covet, corre pra ler o Crave, criança!
É bom dimais!!

8 comentários:

  1. Gabi adorei a resenha!!!!!
    Fiquei curiosa com algo.....vc aprendeu a ler em inglês sozinha??? como assim, dá a dica amiga...meu sonho!!!!!
    bjossss...como uma fanática pela IAN adoro o blog e adoro mais ainda qd vc dá nitícia sobre a nossa querida série!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi gatinha!
      De tanto ouvir música, ver série e tals, a gente termina já sabendo alguma coisa em inglês. Aí, somando o fato de ter o livro em português e conhecer eles de cabo a rabo (caso dos livros da Irmandade) o inglês termina se infiltrando com mais facilidade na nossa cabeça. Como conhecendo bem a estória a gente tem uma boa ideia do que tá acontecendo, é só uma ajudinha do Google Translator e depois de alguns meses vc já está lendo em inglês na mesma velocidade q lê em português.
      Precisa perseverança e paciência, mas compensa.

      Beijocas e boa sorte nas suas próximas leituras na língua da rainha!

      Excluir
    2. Obrigada pela dica!!!!! Irei me esforçar, visto que tenho um otimo incentivo!!!!
      bjoss!

      Excluir
  2. Oi Gabi, adorei a sua resenha, muito engraçada como sempre. Eu ainda não li nenhum livro desta série, e confesso a você que não sinto vontade, mas depois de ler o que você colocou aqui, já fiquei bem curiosa... Que sabe se ainda faço um esforço e leio? Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  3. Hey!

    "Aprendi inglês por conta própria" +1

    Resenha bem bacana, de verdade!

    Jim Heron, Adrian e Ed: tem como gostar mais deles?

    Nigel e Colin... pq será q vc quer ler mais deles, né...?

    Vin, Isaac... Quero ler mais é deles!!! É, não sou só eu que não me surpreenderia se o Vin fosse parte vamp...

    Devina: onde clica pra ela ser o H.E.A. da mãe de um outro ser que também tem apartamento no Comodore? Os moradores desse prédio, vou te contar...

    E, ansiosa pra Rapture!

    =*

    Kisses!

    ResponderExcluir
  4. Ei, Gabi! Lendo seus comentários sobre Covet me deu até vontade de reler :) Apesar de AMAR a Irmandade não fiquei chateada nem revoltada com o fato da Warden dividir seu tempo entre IAN e FA. At all.

    Mas confesso que achei a trama de Covet um tiquim confusa, e só mais pra frente, talvez em Envy, foi que eu realmente me senti confortável com as regras do "jogo". Eu não acho que o Jim seja subordinado ao Nigel e seus amiguinhos. O Jim é, como vc falou, o escolhido pra comandar o jogo porque ele é neutro, nem 100% bom nem 100% mau. É ele quem decide, no fim das contas, como ele vai influenciar a "peça" em questão. Ele está por conta própria nessa história e o Nigel só deu aquela chamadinha básica nele e mostrou a mamãe dele como forma de,como vc falou, forçar o Jim a colaborar com o lado dos anjos. Eles nem podiam, tecnicamente, ter feito aquilo, como também não podiam ter mandado Ad e Ed pra ajudarem o Jim. Mas,já que a Devina estava trapaceando descaradamente também, acho que acabou ficando elas por elas. OMG o Phury! Fiquei rindo igual besta quando ele apareceu <3 Já que estamos dando spoilers, hehe, não entendo como a Devina pode achar justo o fato de que o Jim, ao final de Covet, morre pra salvar a Marie Terese (ou foi pra salvar o Vin, não lembro)e vira ANJO. Hello!! Tá implícito que ele vai ficar do lado do bem né? Eu quero mais é que a Devina se dê mal,mas regras são regras. Bjs :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amoreco, cada vez que você comenta é sempre um espetáculo!
      Muito boas as suas colocações, porque aborada exatamente os pontos onde a gente fica meio confusa. Concordo em 100% quando você disse que a gente só entra no esquema lá pelo Envy, mas depois que eu reli o Covet, pareceu mais fácil compreender aonde a WARDen queria chegar.

      Vai sair a resenha de Crave em breve e espero que você venha aqui dar sua contribuição perfeita. Quando leio seus comentários, imagino como seria bacanérrimo conseguir reunir todas as pessoas que frequentam o Peixinho e por quem tenho muito carinho! :*

      Apareça sempre, querida!

      Beijocas!

      Excluir
    2. *blushes* assim fico sem graça! hahaha Brigada pelos elogios,vc é uma fofs. Aguardarei ansiosa sua resenha de Crave, porque, né, o Rothe é MUITO amor e vou adorar comentar. Vamos nos reunir sim, fazer um mega encontro nacional do peixinho, qualquer dia desses :) Bjs!

      Excluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...