Aventuras literárias do Peixinho na Grécia!!

Cardume lindo, saudades de vocês!!

Cabei de voltar de viagem e estava ansiosa pra contar pra vocês como foi lá na terra dos deuses Gregos.
Então, façam o check-in, passem no raio-X, falem com a moça da imigração, agarrem seu passaporte, e venham comigo!


Viajar é uma das melhores coisas da vida.
Eu simplesmente adoro!
Seja pra onde for, seja como for, sempre enriquece e traz felicidade. Por isso, pra mim, viajar é uma prioridade.

Esse ano, pra começar com o pé direito, Daniel (Hellren lindo! *-*) e eu conseguimos realizar um grande sonho: ir para a Grécia!

Nesse post especial vou contar sobre os livros que li na viagem, sobre os livros que comprei na viagem, mas principalmente, sobre a viagem em si, que foi realmente fantástica!
#VemCaGenti!


Indo pra Grécia
Ir pra Grécia exige uma bunda de ferro, porque são 15 horas de viagem!!
E você acha que é só glamour no avião? Só se for na primeira classe! Não tenho dinheiro pra isso, então é claro que nunca nem passei perto de lá. Minha cadeira mal inclinava, então foram 15 horas sentada, tentando dormir - mal - e aguentando criança chorando, chute na cadeira, levantando mil vezes pra fazer xixi e incomodando o coleguinha da cadeira do corredor.

E nem foram 15 horas direto! O voo de ida tinha uma escala de 7 horas em Frankfurt, na Alemanha!!!
Pelo menos essa eternidade me deu a oportunidade para conhecer a primeira livraria da viagem.


Era bem pequena e não tinha os livros que eu estava procurando, mas mesmo assim encontrei um livro que achei super engraçado e trouxe para casa. O Como Ser Alemão em 50 Passos Fáceis (tradução do Peixinho), é um guia muito bem humorado escrito por um inglês que mora na Alemanha e comenta de forma super engraçada os hábitos alemães.



Altas Aventuras em Atenas
Depois de muuuuuito tempo, chegamos em Atenas!

Primeiro choque: tudo escrito em GREGO!! Huahahaha
E não só a gente não entendia as palavras, como não entendia as letras: parecia que cada placa era uma equação de engenharia!

Mas, palma, não priemos cânico. Todo mundo - da tia que vendia morango, ao staff do hotel - falava inglês (alguns falavam até mesmo português!). E todo mundo era MUUUUUITO simpático e prestativo. Ainda mais quando a gente falava que era brasileiro. O pessoal das lojas dizia que os brasileiros eram os turistas mais queridos da Grécia. #Fofo!!

E, mesmo cansados, com pouquíssimas horas de sono, praticamente 24 horas acordados, não poderíamos deixar de aproveitar todos aqueles pontos turísticos milenares.

Pertinho do hotel ficava o complexo da Biblioteca de Adriano, um importante governante grego, que foi um dos responsáveis por ainda existirem ruínas para serem vistas hoje, quase 3000 anos após suas construções.

O hotel ficava no bairro de Plaka, que é onde se concentra a maioria dos pontos históricos. Por isso dava pra fazer tudo a pé. E foi a pé que fomos ao Templo de Hefesto. Esse templo tem quase 2500 anos e é o mais bem conservado do mundo. Também foi o templo do qual mais gostei. Hefesto era o maridinho de Afrodite e o Ferreiro dos Deuses.

Tudo bem que as coisas eram perto, mas também não tão perto assim. O resultado foi que, no meio do passeio, meu sapato resolver abrir o bico. LITERALMENTE.
A sola do meu sapato começou a descolar e ainda tinha muita coisa pra ver, muita pedra pra andar, muita foto pra tirar.

Quem resolveu o problema do meu sapato e me permitiu continuar vendo as ruínas foi o maravilhoso do meu Hellren!
Ele tirou as meias e eu coloquei suas meias por cima dos meus sapatos.

Assim que tirei essa foto, veio uma tiazinha toda nervosa, quase batendo na gente, dizendo que a gente teria que deletar a foto por desrespeito. Estou até agora procurando pra ver onde é que está o desrespeito.
Estávamos em um lugar cheio de gruas, maltratado, em construção, cheio de turistas que não estavam dando a mínima. Tinha lixo no chão, todo mundo histérico como se estivessem em um parque de diversões. E eu estava sendo desrespeitosa porque tirei uma foto das minhas meias com o Partenon ao fundo.

O resultado foi que a Acrópole, nome da montanha onde fica o Partenon, foi o ponto histórico que menos gostei. E é o mais famoso, aquele que eu tinha mais vontade de conhecer. Foi uma decepção. Está tudo muito menos conservado do que em outros pontos, muito mais sujo, cheio de pedintes e ciganas tentando te empurrar uma porcaria de rosa e depois ficam enchendo a porra do saco pra você dar dinheiro.

Parte mais bacana da Acrópole, um mirante de onde se pode ver Atenas inteira. E tem essa linda bandeira grega.
No fundo da imagem está o Partenon de frente.

No dia seguinte (já com um sapato novo! Hehehe) visitamos o Templo de Zeus Olímpico.
Essa estrutura tem quase 3000 anos e é impressionante! Cada coluna dessas é todinha de mármore e tem 17 metros de altura. Antes dos cristãos entrarem da Grécia arrasando tudo quanto é obra de arte e arquitetura (não tem quase nenhuma estátua com pinto no lugar, porque os cristãos arrancavam o pinto de mármore de todas as estátuas), esse templo era o mais importante de Atenas e tinha um total de 104 colunas como essas. Hoje sobraram somente 15 colunas em pé e uma caída... Judiação...

O passeio pelo estádio Panatinaikos foi muito foda!!
Primeiro que a entrada dava direito a um guia eletrônico em português, depois que o lugar é mesmo fenomenal.
Esse estádio começou a ser construído há 2500 anos e é TODO de mármore!

Também conseguimos ver a troca da guarda Grega.
Ô vontade de rir! Eu tinha que ficar me segurando, enquanto Daniel falava um monte de palhaçadas no meu ouvido por conta dos guardinhas de vestido, pom-pom no sapato, fazendo uns movimentos com o pé que não faziam sentido para a gente. A Ordem Unida Grega é muito diferente da brasileira.
Foi interessante, mas não nego que foi engraçado.

Esse foi um dos museus mais fodas que visitamos na Grécia. Bem, foi o meu preferido. Era recheado de obras de arte do período bizantino. Muita coisa linda de ver.

Pra refrescar a garganta, depois dessa andação toda, fomos ao Bretto's Bar. Um pub no centro de Plaka que servia não só as cervejas gregas tradicionais Mythos e Fix, como vinhos gregos, Masticha (um licor de âmbar super gostoso) e o famoso Ouzo, a aguardente de anis com o puro sabor da Grécia. Delícia!

Essa é a vista do terraço do hotel onde estávamos hospedados: a Acrópole ficou muito mais bonita à noite vista de longe.

A gente ainda foi a muitos outros pontos históricos, muitos outros museus bacanas e tirou milhares de fotos. Além de ter comido comida grega, a dieta mediterrânea, que é simplesmente deliciosa!
Todo dia tinha Salada Grega e Iogurte Grego - totalmente diferente desse que vende no mercado por aqui.


E os livros de Atenas?!?!
Sim, não podia deixar de procurar os pontos de vendas de livros na capital da Grécia. Em Atenas, no bairro de Plaka, há uma rua com várias barraquinhas de venda de livros usados e vários sebos. No centro de Atenas é comum encontrarmos essas barraquinhas nas calçadas também. Mas não há muitas grandes livrarias. 
A maior de todas é a Public, onde eu fui me divertir! :-)

O terceiro andar da Public é inteiramente tomado por livros. Tem de tudo!!
Há livros em grego e em inglês. Geralmente dá para achar as versões de quase todos os títulos nas duas línguas.

Estante de best sellers e lançamentos - em inglês e grego.

A Public tem uma estante só com romances sobrenaturais de vampiros!!!
Quase surtei, maxina!
Daqui dá pra ver vários títulos velhos conhecidos nossos.

Quando cheguei na seção sobre vampiros, meu coração disparou: queria encontrar a Irmandade da Adaga Negra em grego de qualquer maneira.
Mas... Fué-fué-fuéeee... Não tinha na loja. Um garoto super fofo veio me ajudar e procurou no sistema, disse que os livros da Irmandade estavam esgotados na editora e que o terceiro - Amante Desperto - único disponível, não tinha na loja.
Murchei, né. Mas mesmo assim comprei dois livrinhos só pra não passar em branco.

Jane Eyre de Charlotte Brontë: clássico da literatura mundial.
Sempre quis ter e ler Jane Eyre, da Charlotte Brontë (irmã da chatonilda da Emily Brontë, que escreveu o igualmente chato Morro dos Ventos Uivantes). Encontrei essa edição, com texto original, encapada em capa dura e com um precinho bem camarada!

Necronomicon: As Melhores Estórias Estranhas de H.P. Lovecraft.
H.P. Lovecraft foi o grande revolucionário das estórias fantásticas e de terror. Esse cara é inspiração até hoje para filmes, estórias em quadrinhos e músicas. Ele inspirou o criador de Conan, O Bárbaro, inspirou o Iron Maiden, o Metallica, o Black Sabbath, o Alan Moore.
Esse livro é um clássico, pois contém uma coletânea de estórias do Lovecraft que ainda vão servir de inspiração para muitas gerações.


As Ilhas Gregas
Depois de Atenas, partimos para as ilhas. 

As ilhas são imperdíveis!!
Não consigo conceber alguém ir à Grécia e não conhecer ao menos uma ilhazinha. São mais de 2000, genti, né possível que você não vá molhar o pezinho no Mar Egeu!
Nós optamos por conhecer ilhas do mesmo sistema insular, e escolhemos as Cíclades.

Paros
Ficamos 4 horas num ferry, um navio enorme que transporta até caminhão, para ir de Atenas a Paros.
Paros é uma ilha relativamente grande no meio das Cíclades. Escolhemos visitar Paros por conta das belas paisagens e da calma do lugar.
Ainda era baixa temporada, portanto tínhamos a ilha toda praticamente só para nós. Alugamos uma scooter e ficamos dois dias dando voltas pelos pontos mais bonitos da ilha.

Estava frio bagarai!




O hotel de Paros, apesar de ser super bem recomendado, foi um fiasco. O ar condicionado, quando ligado, fedia a cigarro, o que fazia o cheiro no quarto todo ficar insuportável. O chuveiro também era uma merda. Estava com um pedaço quebrado, o que fazia uma molhaceira no banheiro.


Syros
Depois de Paros iríamos direto para Mykonos, mas acontece que na baixa temporada não há transporte todos os dias, apesar das ilhas serem super próximas. Então tivemos de optar: ou perdíamos um dia em Paros; ou perderíamos dois dias em Mykonos. Optamos por sair mais cedo de Paros.

Por isso pudemos dar uma passadinha bem rápida em Syros.




Mykonos
Todo mundo me perguntava se eu iria a Mykonos quando eu dizia que estava viajando para a Grécia. Mykonos é a ilha das festas. Mas, como estávamos em baixa temporada, não tinha nenhuma festa rolando. A única festa que rolou fomos nós mesmos que providenciamos no saguão do hotel. Fizemos uma super bagunça junto com os outros hóspedes. Foi muito divertido!!

Também alugamos uma scooter para dar voltas na ilha. Ficamos dois dias com a scooter, o que foi essencial para conhecer as praias, já que tinha muito pouco transporte nessa época. A ilha estava se preparando para o verão.




O Sol queimava forte, mas a água estava GELADA!! Mesmo assim, na cara e coragem, entrei no Mar Egeu! Taí o registro pra ninguém dizer que é mentira minha. :-D
Em Mykonos nos demos muitas voltas pela cidade, mas não encontrei nenhum livraria. Em compensação, comemos e bebemos muito bem! Os dias estavam lindos e as praias eram fenomenais.
Descobrimos que em qualquer praia da Grécia as pessoas podem ficar PELADAS!! Sério!! Choquei!
A gente chegou em uma praia e, de repente, tinha um casal gringo peladão. Dei meia volta, porque achei muito estranho e ainda não sabia dessa particularidade maluca.


Santorini
Quando saímos de Mykonos, estávamos até desanimados, porque Mykonos tinha sido tão legal e o pessoal de lá disse pra gente que Santorini era muito paradão. Acreditamos, é claro.

Só que, gente, Santorini é a ilha mais maravilhosamente espetacular de todas que visitei!!!!!! *-*
É lindíssima, cheia de atrações, cheia de praias lindas, cheia de gente (muito mais do que em Mykonos), as cidades ficam na beira de penhascos e são todas de casas brancas de janelas azuis, e o hotel em que nós ficamos era um sonho!!!!
#TemComoNãoAmar?!?!?!

Olha eu pilotando a scooter! Ficamos 3 dias com ela e eu cheguei até a levar o Daniel na garupa! Huahahaha
E olha que eu nunca tinha pilotado uma scooter antes. Meu Hellren é muito corajoso..



Existe mais de uma Black Beach. Essa, em particular é Perissa.

Lugar perfeito para ver o Pôr do Sol (às 8 horas da noite, acreditem!) e tomar um vinho.

Nosso hotel ficava perto dessa cidade.
Há 600 degraus para se subir do porto antigo de Fira até a parte de cima da cidade. O povo sobe de burrinho, que é o mascote de Santorini.

"Burrinho Amarelo" é o nome da cerveja.
Nada melhor do que tomar uma cervejinha feita em Santorini assistindo esse Pôr do Sol de tirar o fôlego!

Sentados na beirada da varanda do nosso quarto...

Esse Pôr do Sol foi da nossa varanda do quarto do hotel.
Santorini deixou muitas saudades... Quero voltar lá!!!!
Na Grécia a gente podia andar a qualquer hora do dia ou da noite sem ter de olhar pra trás, sem medo de que alguém viesse nos abordar violentamente, sem medo das pessoas que cruzavam conosco nas ruas.
Totalmente diferente daqui do Rio.
Deu tristeza voltar, viu...


Em Busca do Amante Grego Perdido
Uma das minhas missões na Grécia era encontrar um livro da Irmandade da Adaga Negra na versão grega pra trazer para casa.

Como falei ali em cima, não fui feliz em Atenas. Mesmo na maior livraria da cidade, nossos queridos Irmãos estavam esgotados. O que, pra mim, pode ser interpretado como uma boa notícia: os Irmãos estão conquistando os corações das gregas!

Porém não desisti.
E foi em uma pequena livraria, na ilha mais pacata que visitei, Paros, que encontrei o único exemplar da Irmandade que consegui trazer para casa: Amante Eterno!

SIM!!!! Finalmente um Amante Grego para chamar de meu!!!

Depois que achei esse exemplar, até parei de procurar, porque, afinal, não consigo ler nada! Huahahahaha
Como exemplar de coleção, funciona muito bem, mas como não cago dinheiro, achei um exagero continuar procurando para tentar comprar os outros dois volumes lançados, já que não entendo mesmo quase nada do que está escrito dentro.

Algumas poucas palavras eu consegui traduzir.
Olha só como é puxado ler em grego:






Leituras de Viagem
Para terminar esse post gigante, vou contar o que me fez continuar sã durante as quinze horas de ida e volta, durante as horas de transporte via ferry até as ilhas e nos momentos relax sob o Sol grego.

Divide & Conquer - Madeleine Urban e Abigail Roux

(crédito da imagem para The Book is Out There)

Divide & Conquer (Dividir & Conquistar, tradução do Peixinho) é o quarto livro da série Cut & Run sobre os agentes do FBI Ty Grady e Zane Garrett. Último volume da série contando com duas autoras.

Vou tentar não dar os spoilers, viu.
Quando eu li Cut & Run, não consegui entender porque havia tanta perereca pegando fogo por conta dessa série. Tudo bem que é super hot, mas não vi química entre os caras, já que era só patada para todos os lados.
Mesmo assim perseverei porque a indicação foi de gente muito boa (Thy amu, Monica Vidal e Nate!).

O segundo volume, Stick & Stones (Paus & Pedras, tradução do Peixinho), foi bem melhor do que o primeiro. Ainda havia patadas, ainda havia má vontade, ainda não entendi a química, mas, mesmo assim, foi melhor.

Li o terceiro, Fish & Ships (Peixe & Batata Frita, na tradução do Peixinho) porque me disseram que a série só vai melhorando com o passar do tempo. E é verdade!!
Simplesmente AMEI Fish & Ships, e duvidava que seria possível que os livros ficassem melhores.
Felizmente estava enganada!

Divide & Conquer fala sobre uma onda de atentados às forças policiais e bombeiros de Baltimore, onde Ty e Zane moram e trabalham. E é claro que essa onda termina quebrando contra nossos queridos investigadores do FBI.
Nesse livro a relação deles dá um salto de qualidade e profundidade que é a coisa mais fofa do mundo!
Muita angústia, muito sentimento, muitas lágrimas e um choque no último parágrafo do livro. Meu queixo caiu!


Armed & Dangerous - Abigail Roux

(crédito da imagem para Goodreadas)
Gostei tanto de Divide & Conquer que fiquei quase sem coragem de ler o Armed & Dangerous (Armado & Perigoso, tradução do Peixinho). Mais uma vez achei que não iria ser melhor do que o anterior.

Nesse quinto livro da série Cut & Run, Ty e Zane precisam levar sob custódia um assassino profissional que também é a única testemunha viva de um esquema de uso de agentes da CIA para assassinatos encomendados. Acontece que o assassino é gay e seu companheiro também é levado sob custódia para tentar chantageá-lo.

Entre tentativas de fuga e cenas de ação eletrizantes, o relacionamento de Ty e Zane é ameaçado de ser descoberto pela galera toda do seu trabalho, o que seria péssimo, já que eles certamente seriam separados porque o FBI tem uma política dura de repressão a relacionamentos dentro do bureau.

O livro foi muito foda!
Amei do início ao fim!!!
Monica me disse que a série melhora muito quando Abigail passa a escrever os livros sozinha. E é verdade.
Parece que a Abigail escrevia as partes do Ty e a Madeleine do Zane, e pra mim o Zane ficou muito melhor sendo escrito também pela Abigail.


Stars & Stripes - Abigail Roux

(crédito da imagem para Goodreads)

Stars & Stripes  (Estrelas & Listras, tradução do Peixinho) é o sexto livro da coleção Cut & Run. De novo eu achei que não conseguiria ser melhor que o anterior. Isso está virando uma tradição! Huahaha

Esse livro é impossível de largar, porque finalmente os dois saem dos seus respectivos armário com suas famílias, rendendo momentos super emocionantes!

Dessa vez a aventura é na terra do Zane, no Texas, onde a fazenda da sua família está sendo utilizada como ponto de escoamento de tráfico de animais raros.
Ficamos conhecendo a família de Zane: irmã fofa, sobrinha fofa, pai fofo e mãe megera. E eles tem muuuuuito dinheiro!

Outro livro impossível de largar.


- The King - J.R. Ward


É claro que li The King!!
Dia 01 de abril eu estava no aeroporto de Frankfurt procurando o wi-fi mais acessível possível para baixar esse livro.

E, desculpa, mas não posso comentar nada aqui. The King merece um super-giga-mega-blaster post pra falar só sobre ele. E esse post já está maior do que deveria. Hehehehe


Muito obrigada a todos que conseguiram ler até aqui! :-D
Espero que vocês tenham gostado e que também se animem a visitar a Grécia, porque vale muito à pena!!
Beijocas!

(P.S.: Desculpem pela confusão na fonte do post. Juro que não fui eu. O Blogger fez essa merda sozinho e eu estou muito puta com isso, já que me dediquei a fazer o post com todo cuidado e carinho, levei o dia inteiro editando as fotos e agora não consigo resolver o problema com essas bostas de fontes confusas.)

2 comentários:

  1. " Pelo menos essa eternidade me deu a oportunidade para conhecer a primeira livraria da viagem." > Pessoas que nessas oportunidades visitam livraria são as melhores. Não confio em quem não faz isso.

    "Mas, palma, não priemos cânico. [...] mais queridos da Grécia. #Fofo!!" Que bacana!!! Legal, porque já li em outros lugares que em determinados pontos da Europa brasileiro sofre.

    "O resultado foi que [...] pra você dar dinheiro." Isso me deixou incrivelmente triste.

    "Essa estrutura tem [...] pé e uma caída... Judiação..." Ainda triste com essa parte também. Por favor, que não me acusem de preconceito religioso, mas... crentelhos crentelhando desde sempre. Gabi, acho você não ser cristã maravilhoso, porque assim posso falar das minhas birras com religiões sem ser crucificada.

    " A Public tem uma estante só com romances sobrenaturais de vampiros!!! Quase surtei, maxina!" eu num lugar desse = 2 votos. Pode não comentar a foto com Twilight, Vampire Diaries e True Blood?

    " Sempre quis ter e ler Jane Eyre, da Charlotte Brontë (irmã da chatonilda da Emily Brontë, que escreveu o igualmente chato Morro dos Ventos Uivantes). Encontrei essa edição, com texto original, encapada em capa dura e com um precinho bem camarada!" Não acho Morro dos Ventos Uivantes "chato", é que é uma linguagem diferente da que a gente lê com mais fluidez; e eu realmente espero que você goste mais de Jane Eyre, porque eu achei bem mais legal.

    " H.P. Lovecraft foi o grande revolucionário das estórias fantásticas e de terror. Esse cara é inspiração até hoje para filmes, estórias em quadrinhos e músicas. Ele inspirou o criador de Conan, O Bárbaro, inspirou o Iron Maiden, o Metallica, o Black Sabbath, o Alan Moore." Tô com um livro do HP Lovecraft aqui pra ler, tinha comprado pra presente e acabei pedindo um pra mim também, mas é outro. Se inspirou coisas legais, então é porque é bom.

    " Todo mundo me perguntava [...] muito divertido!!" deve ter sido muuuuuuuuito legal mesmo!!!

    " Descobrimos que em qualquer praia da Grécia as pessoas podem ficar PELADAS!! Sério!! Choquei!" chocou nada, vai kkkkkkkkkkkkk

    " Na Grécia a gente [...] cruzavam conosco nas ruas." Não vamos comentar... Prosseguindo.

    O post ficou incrivelmente legal! Ansiosa pra ler tuas impressões sobre The King e comentar, e te enxer as pacências no chat.

    beijões!

    ResponderExcluir
  2. Que viagem fodastica! eu já fico maluca de passar férias em Salvador, imagina na Grécia?!
    Então você trouxe um Rhage grego pro Brasil, que diliça...mas que raio de alfabeto é esse, parece o antigo idioma.
    Você também trouxe a Jane Eyre! grande aquisição, o livro é excelente, muito lindo mesmo, mas eu também adoro o Morro dos Ventos Uivantes, que você detesta, kkk.
    Aguardo ansiosamente a resenha de The King, com direito a todos os spoilers possíveis e imagináveis!!!
    Bj.

    ResponderExcluir
:) :( ;) :D :-/ :P :-O X( :7 B-) :-S :(( :)) :| :-B ~X( L-) (:| =D7 @-) :-w 7:P \m/ :-q :-bd

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...